AOS PERFEITOS.

Grande Otelo em Macunaíma.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil, 
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
 
Indesculpavelmente sujo.
 
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
 
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo...


Dedico esse poema ao verme que primeiro propalou difamações ou críticas ásperas e insensatas a este blogueiro,brasileiro,trabalhador e que tem procurado se aperfeiçoar na fina arte das letras.

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores

Sobre este blog