Poema/Música "MIÚDO DA RUA."

Letra : Jorge Ataíde

Calção roto, camisa suja
Olhar maroto e fugindo à rusga
Rouba o que ver e o que pode tirar
Não escreve , não lê , não sabe chorar

Miúdo da rua sem eira nem beira
com tecto de lua, sem cama nem esteira
Miúdo da rua, nascido do vento
verdade tão nua, produto do tempo

Andar traquina, descalço e só 
Senta-se a  esquina, até mete dó
Não tem o carinho dum pai, duma mãe
Bebe copos de vinho e sente-se alguém

Coragem não falta pro mundo encarar
Corre e salta sem nunca parar
O dia que vem vai-se repetir
Não sonha não tem direito a sorrir

A urgência do ensino médio. Por Mozart Neves Ramos


A urgência do ensino médio

MOZART NEVES RAMOS – Membro do Conselho de Governança do Todos Pela Educação e do Conselho Nacional de Educação, e professor da UFPE.

No início da gestão do ministro da Educação, Aloizio Mercadante, uma importante decisão foi tomada: o Brasil precisa fechar de vez a “torneira” do analfabetismo. É preciso que todas  as crianças estejam alfabetizaas pelo menos até os oito anos de idade. O secretário de Educação Básica, Cesar Callegari, não perdeu tempo e saiu a campo: trouxe todos os atores diretamente envolvidos com essa etapa educacional, especialmente a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), e elaborou um programa de alfabetização que inclui formação docente, material didático de boa qualidade e avaliação. Em menos  de um ano, o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic) foi estruturado e em breve será lançado oficialmente. Esse é um exemplo de convicção, decisão política, coragem e investimento direcionado para uma etapa tão importante.
Na outra ponta da educação básica está o ensino médio, com diversos problemas que desencadeiam baixos indicadores de aprendizagem. Esses problemas não são de hoje, já vêm de longe, e seus efeitos começam a se tornar mais nítidos agora. Sem resolvê-los, o país não atingirá uma das metas do novo Plano Nacional de Educação (PNE): o de elevar a 33% o percentual de jovens de 18 a 24 anos no ensino superior. Vale lembrar que essa já era a meta do PNE que se concluiu em 2010. Nem sequer nos aproximamos desse percentual ao seu término, chegando a apenas 14,6%.
De antemão, sabemos que essa será uma das metas mais desafiadoras do plano , em função da crise que o ensino médio vem enfrentando. Faltam professores, um currículo atraente e escola de tempo integral. Enquanto isso, o Ministério da Educação e os secretários estaduais de Educação não se entendem. A conseqüência desse descompasso em relação ao ensino médio pode afetar diretamente o crescimento do país, que vive hoje uma boa onda econômica.
Ou o Brasil forma bem os jovens de agora ou não teremos quem sustente a sua economia num futuro próximo. Faltará ─ o que já se vem observando nos mercados internos em expansão ─ mão de obra qualificada para atender as demandas. O Brasil terá que importá-la, enquanto os nossos jovens ficarão à margem do processo produtivo.
Para tentar ajudar a resolver o problema da mão de obra qualificada , as empresas e o Sistema S (Senai, Senac, Sesi, Sebrae e outros) começam a investir fortemente no aumento de escolaridade de seus trabalhadores, tal como vem fazendo o  Sesi/SC. Essas iniciativas vêm contribuindo para a redução da desigualdade de renda. Números do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revelam que o aumento da escolarização da mão de obra fez cair a diferença  salarial entre os que têm menos e mais instrução. Uma das conseqüências foi que o índice de Gini   ─ indicador que mede a distribuição de renda ─ baixou de 0,552 em 2001 para 0,485 em 2011. Pela primeira vez, ficou abaixo de 0,5 ─ e quanto mais próximo de zero, melhor a distribuição de renda.
Mas muito do que se investe hoje em educação é para tapar o buraco deixado pela baixa qualidade do ensino oferecido. Uma situação análoga à da formação continuada de professores, que deveria ser uma atualização e uma nova qualificação, e não uma formação complementar à inicial, como acontece.
O Brasil precisa resolver o problema do ensino médio. Não há mais tempo. Um país que quer ser protagonista num cenário mundial competitivo não pode se acomodar com uma geração nem-nem ─ jovens que nem trabalham nem estudam. Segundo estudo do Senai, o país tem hoje 5,3 milhões de brasileiros  entre 18 e 25 anos que estão excluídos do mercado de trabalho e do ensino formal. Para esses sobram profissões de baixa remuneração, que não exigem o ensino médio. Ocorre que nos tempos, com mudanças tecnológicas tão intensas, as mudanças estruturais são cada vez mais rápidas nos meios de produção. Assim, em médio prazo, esses trabalhadores precisarão de maior escolarização, seja para aperfeiçoar a educação num curso universitário, seja para fazer um curso profissionalizante.
Nos pais há alguns poucos modelos, já em escala razoável, de bons programas de ensino médio, a exemplo das Escolas de Referência de Tempo Integral, em Pernambuco. Porém, diferentemente do pacto nacional que vem se estabelecendo pela alfabetização de crianças na idade certa, para melhorar o ensino médio, ainda faltam entendimento, cooperação, humildade e investimentos. É preciso estabelecer também um pacto pelo ensino médio, e o mais rápido possível!   

fonte:Correio Braziliense. quinta-feira, 1º de Novembro de 2012. OPINIÃO, p.17 

Lampião é macho, macho por despacho.


Difícil saber o feminino do cangaceiro Lampião. Será Lampiã? Lampioa? Ou será Lamparina? Existe o feminino de Lampião? Difícil saber, mortalmente difícil. E muito perigoso. Se especularmos por essa vereda escorregadia, alguém poderá se abespinhar e dizer que está em curso uma heresia contra o legado másculo do legendário bandido. Portanto, não lhe duvidamos da masculinidade. Fica decidido que Lampião não tem feminino, é macheza pura.
Mesmo assim, mesmo afirmando a macheza, temos aqui um problema de gênero. Não um problema do homem chamado Lampião, por favor, que este se encontra acima das suspeitas. Nosso problema de gênero diz respeito ao vernáculo: nem todos os substantivos, infelizmente, são do gênero masculino, de sorte que fica inviável defender a macheza do Rei do Cangaço sem o auxílio de palavras femininas. Macheza é substantivo feminino. Virilidade também é palavra fêmea. Hombridade, valentia, todos vocábulos femininos. Vai soar como provocação, mas a língua embaralha o feminino e o masculino, a maldita. Fazer o quê? Talvez ela não esteja à altura de descrever o destemido cangaceiro, encarnado pelo pernambucano Virgulino Ferreira da Silva (1898-1938). Ele, sim, não tinha nada que fosse emasculado; não há de ter tido, nunca, jamais, uma “porção mulher”, para adotar aqui a expressão consagrada pelo cancioneiro.
E que ninguém discuta. Cumpra-se. Foi assim que a Justiça decidiu. Foi assim que despachou o juiz Aldo Albuquerque, da 7ª Vara Cível de Aracaju, Sergipe, há pouco mais de uma semana, ao proibir a publicação e a comercialização do livro Lampião ─ o Mata Sete, de autoria de Pedro de Morais, em atendimento ao pedido da família do temível Virgulino. A família se declarou ofendida porque, na obra, Virgulino aparece como homossexual. Não é só. Ele teria sido um marido traído, uma vez que sua companheira, Maria Bonita, teria sucumbido ao adultério nos braços de um sujeito do mesmo bando, de nome Luiz Pedro. E mais: com suas perneiras de couro enfeitado, seu paletó azul e sua testeira salpicada de medalhinhas, o próprio Virgulino caiu de amores pelo mesmo Luiz Pedro.
Aí também não dá, reclamaram em juízo os descendentes. Os historiadores podem dizer à vontade que Lampião estuprava garotas indefesas, que lhes marcava o rosto com ferro quente, que sangrava lentamente os desafetos, cravando-lhes o punhal entre a clavícula e o pescoço. Podem dizer que ele castrava seus reféns, que arrancava olhos, línguas e orelhas. Até aí, não se vê ofensa nenhuma. Mas essa conversa de triângulo amoroso com pitadas homoeróticas, essa sim, ultraja a honra familiar. Por isso, os familiares pleitearam a censura, que chegou veloz e escura, feito uma peixeira noturna.
O episódio parece uma crônica dos costumes, mas é sério. Embora o processo ainda admita recursos ─ a proibição do livro já começou a ser contestada na semana que passou─, o que temos aí não é uma peça meramente cômica, mas um caso de veto à expressão do pensamento. Sem trocadilho, esse veto ao pensamento deveria nos fazer pensar um pouco mais. De que honra, afinal, nós estamos falando aqui? Há tempos, na canção “Pecado original”, Caetano Veloso cravou uma de suas boas verdades: A gente não sabe o lugar certo de colocar o desejo. Pois será que sabemos o lugar certo de colocar a honra?
Eis aí outra indagação difícil, moralmente difícil, além de muito perigosa. Esse conceito, o do macho viril, guarda um quê de animalesco, de irracional, de selvagem. Se macho, se incontestavelmente macho, o Rei do Cangaço teria um licença para aterrorizar os humildes com suas brutalidades de facínora. Ele teria sido apenas mais macho que  os demais , só isso. Daí que, ele que viveu como fora da lei, tem agora, depois da morte, a sua macheza ─ vai no feminino mesmo─ tutelada pela própria Justiça. Ele pode ser chamado de homicida e de ladrão, tudo bem. Não de marido traído. Nem de homossexual.
Esse moral polar, “monopolar”, esquarteja tudo o que seja ambíguo. E, no vasto mundo dos amores, o humano não é acima de tudo um forte, mas acima de tudo ambíguo, como a própria língua. Por isso, essa moral monopolar é desumana. Ela não sabe que, como o Diadorim de Guimarães Rosa, o jagunço valente, como Riobaldo, pode amá-lo sem entender porque ama, e suspirar, perdido: “Diadorim é minha neblina”. O mito sem neblina de Lampião é um tributo à intolerância.

Eugênio Bucci é jornalista e professor da ESPM e da ECA- USP
Fonte Revista Época nº 707 de 5 de dezembro de 2011  

Monteiro Lobato no Supremo Tribunal Federal


Monteiro Lobato no Supremo Tribunal Federal

Passei boa parte da minha infância e adolescência lendo Monteiro Lobato. Primeiro,  As reinações de narizinho, Viagem ao céu, O pica-pau amarelo, O Saci, O marquês de rabicó. Mais tarde, encantei-me com os contos de Urupês e Cidades mortas. Conheci um pouco da mitologia grega com o Minotauro e com Os doze trabalhos de Hércules; aprendi históra no inesquecível História do mundo para crianças.
Do autor, além da grandiosa obra, ressalta-se o homem idealista e sonhador, à frente do seu tempo. Nacionalista e sonhador, à frente do seu tempo. Nacionalista, afrontou o Estado Novo ao lutar pelo petróleo brasileiro, causa que lhe custou a perda dos seus bens e a prisão. Intelectual, não só defendeu a produção e impressão de livros no Brasil, como trouxe para literatura infantil toda a riqueza do nosso folclore, com as suas cucas, cupiras, mulas sem cabeça e o Saci-Pererê.
As crianças de hoje sonham em viajar para a Disneyworld ou para o mundo encantado e estrangeiro de Nárnia e Harry Potter. As crianças de ontem sonhavam em ir ao mágico Sítio do Picapau amarelo para ouvir as estórias de Dona Benta, brinca com a boneca Emília e saborear os quitutes da tia Anastásia.
Por isso causou-me certo desconforto a  notícia sobre a interposição de mandato de segurança no Supremo Tribunal Federal, no qual o Instituto de Advocacia Racial e Ambiental (Iara) pede a anulação de um parecer do Conselho Nacional de Educação que liberou a adoção, nas escolas públicas, do livro Caçadas de Pedrinho. Para o Iara, a estória contém trechos racistas envolvendo a personagem Tia Anastácia, cuja cor negra é mencionada de forma pejorativa pelo autor. Num trecho, a personagem Emília refere-se ao iminente ataque de onças e animais ferozes ao sítio: Não vai escapar ninguém ─ nem Tia Nastácia, que tem carne preta. Em  outro trecho, Anastácia sobe num mastro para fugir das onças. A cena é descrita assim por Monteiro Lobato: Tia Nastácia, esquecida dos seus numerosos reumatismos , trepou que nem uma macaca de carvão.
De fato, a leitura do trecho, escrito há quase 80 anos ( o livro foi publicado em 1933) é mesmo chocante. Como também o é ler em Memórias Póstumas de Brás Cubas, clássico da literatura brasileira pela cena de ninguém menos que Machado de Assis, que o personagem, quando criança, quebrara a cabeça de uma escrava, por que lhe negara uma colher do doce de coco que estava fazendo. Ou então quando ele se refere a Prudêncio, moleque de casa: era o meu cavalo de todos os dias; punha as mãos no chão, recebia um cordel nos queixos, à guisa de freio, eu trepava-lhe ao dorso, com uma varinha na mão, fustigava-o, dava mil voltas a um e outro lado, e ele obedecia─ algumas vezes gemendo, mas obedecia sem dizer palavra, ou, quando muito , uma “ai, nhonhô!”
Procurei, no fundo da minha memória, que impressão me ficara, da leitura de Lobato e Machado, de Tia Anastácia ou de Brás Cubas. Da primeira , restou-me a imagem de uma senhora de cor negra , bonachona, que fazia doces e bolos deliciosos, amorosa com as crianças e adorada por elas. De Brás Cubas ficou o retrato de um jovem fútil, cheio de caprichos, com ares da Europa, cujo comportamento é a face caricata da sociedade brasileira burguesa dos século 19.
As expressões inadequadas contidas em ambas as obras, como em várias outras, não sei se por conta de uma peculiar sabedoria das crianças, que absorve apenas o melhor  das estórias, não fazem  parte das minhas lembranças. Certamente porque tenha entendido , no decorrer do processo de aprendizagem, a necessidade de se exercer juízo crítico sobre todas as nossas leituras. Não fosse assim, como superar a crueldade absurda contida nas estórias infantis que se tornaram Chapeuzinho Vermelho, Branca de Neve e o Pequeno Polegar?
Oxalá a audiência pública, tão sabiamente convocada pelo ministro Luiz Fux para que as partes envolvidas nessa celeuma cheguem a um consenso, possa dar frutos outros, que não a proibição de leitura das deleitosas aventuras de Pedrinho, Narizinho e Emília no Sítio do Picapau Amarelo. Todo artista, assim como todo escritor, é fruto do seu tempo e os seus escritos não podem ser lidos fora do contexto. Censurar Monteiro Lobato, cuja obra literária infantil ainda não foi superada por nenhum outro escritor de língua portuguesa, implica o dever de também passar um pente fino em toda a literatura brasileira do século 19 e até pelo menos a metade do século 20. Em outras palavras, uma tremenda burrice.

MÔNICA SIFUENTES- Desembargadora do TRF 1ª REGIÃO

fonte? Correio Braziliense, domingo, 7 de outubro de 2012.

A melhor piada da propaganda

A melhor piada da propaganda.

Publicitários, ouvimos falar que os senhores reclamaram que estão sendo vítimas de bullying. 

Sabemos que as piadas fazem sucesso na publicidade, mas dessa vez não deu pra rir. 

Bullying sofremos nós, seres humanos comuns, ao sermos ameaçados de ficar invisíveis se não comprarmos o carro da marca que vocês anunciam. 

Bullying é ser mãe e ter que engolir muda o desaforo de ser chamada de Coca-Cola em rede nacional, como se esse fosse o mais supremo dos elogios. 

Bullying é sermos obrigados a ter axilas claras e hidratadas, cabelos sempre lisos e sedosos e um corpo que não exala odor por 48 horas. 

Bullying é sermos convencidos que só podemos sair às ruas com proteção. Solar, antibactericida e contra insetos. 

Bullying é ter que consumir bebida alcoólica para ser da turma, pegar mulheres e curtir a balada.

Bullying é aprendermos desde criança que só beija quem tem dentes brancos, brilhantes e hálito american fresh power plus

Bullying é ter que engolir comida de isopor para ganhar um brinquedinho. 

Bullying é sermos obrigados a fingir que acreditamos que os bancos são nossos melhores amigos.

Bullying é nos barrarem no treino se não estivermos barbeados com três lâminas que fazem tcha tcha tchum. 

Bullying foi ter aguentado, durante décadas, grandalhões dizendo que inalar fumaça e soprá-la na cara dos outros era uma decisão inteligente. 

Bullying é rirem da lancheira dos nossos filhos porque nela não entra bolacha recheada, refrigerante, pseudosuco ou salgadinho de milho trânsgênico. 

Bullying é ficar gordinho, ter pressão alta, colesterol e pré-diabetes porque ninguém conta pra nossa mãe que aquilo que ela vê na TV pode ser moderno e prático, mas também pode fazer mal. 

Bullying é nos passarem a cola errada e nos fazerem confundir azeite de oliva com maionese industrializada. 

Para terminar, bullying é sacanear os pares. E nunca fomos pares para os senhores. 

Portanto, façam um favor a si próprios: não saiam por aí chamando a tia e vertendo lágrimas de crocodilo porque ninguém acredita na sua choradeira. 

Argumentem, defendam seus interesses, mas poupem-se do ridículo.

Pasquale Cipro Neto Paralímpico? - Haja bobagem e submissão!


O fato é que em português poderíamos ter também a forma "parolímpico", mas nunca "paralímpico" 



O MEU querido amigo, vizinho, filho e irmão Márcio Ribeiro me pergunta, com o seu falar italianado e com influência do linguajar da Casa Verde, bairro paulistano em que passou boa parte da vida: "Ma que história é essa de 'paralímpico'? Emburreci, emburrecemos todos?". E não foi só o Márcio. Vários leitores escreveram diretamente para o jornal ou para mim para pedir explicações.

Não, meu caro Márcio, não emburreceste. Nem tu nem os leitores que se manifestaram. E, é bom que se diga logo, a Folha não embarcou nessa canoa furadésima, furadissíssima.

Parece que o Comitê Paralímpico Brasileiro adotou a forma "paralímpico" para se aproximar da grafia do nome do comitê internacional ("paralympic"). Por sinal, o de Portugal também emprega essa aberração -o deles se chama "Comité Paralímpico de Portugal" (com acento agudo mesmo em "comité").

É bom lembrar que o "par(a)-" da legítima forma portuguesa "paraolímpico" vem do grego, em que, de acordo com o "Houaiss", tem o sentido de "junto; ao lado de; ao longo de; para além de". Na nossa língua, ainda de acordo com o "Houaiss", esse prefixo ocorre com o sentido de "proximidade" ("paratireoide", "parágrafo"), de "oposição" ("paradoxo"), de "para além de" ("parapsicologia"), de "distúrbio" ("paraplegia", "paralexia") ou de "semelhança" ("parastêmone"). Os jogos são paraolímpicos porque são disputados à semelhança dos olímpicos.

Talvez seja desnecessário lembrar que esse "par(a)-" nada tem que ver com o "para" de "paraquedas" ou "para-raios", que é do verbo "parar" (não esqueçamos que o infame "Des/Acordo Ortográfico" eliminou o acento agudo da forma verbal "para").

Pois bem. A formação de "paraolímpico" é semelhante à de termos como "gastroenterologista", "gastroenterite", "hidroelétrico/a", "socioeconômico", das quais existem formas variantes, em que se suprime a vogal/fonema final do primeiro elemento (mas nunca a vogal/fonema inicial do segundo elemento): "gastrenterologia", "gastrenterite", "hidrelétrico/a", "socieconômico". O uso não registra preferência por um determinado tipo de processo: se tomarmos a dupla "hidroelétrico/hidrelétrico", por exemplo, veremos que a mais usada sem dúvida é a segunda; se tomarmos "socioeconômico/socieconômico", veremos que a vitória é da primeira.

O fato é que em português poderíamos perfeitamente ter também a forma "parolímpico", mas nunca "paralímpico", que, pelo jeito, não passa de macaquice, explicitação do invencível complexo de vira-lata (como dizia o grande Nelson Rodrigues). Pelo que sei, em inglês... Bem, dane-se o inglês. Danem-se os Estados Unidos, a Inglaterra e a língua inglesa.

Alta fonte de uma das nossas mais importantes emissoras de rádio me disse que o Comitê Paralímpico Brasileiro fez pressão para que a emissora adotasse a bobagem, digo, a forma americanoide, anglicoide ou seja lá o que for. A farsa é tão grande que, em algumas emissoras de rádio e de TV, os repórteres (que seguem ordens superiores) se esforçam para pronunciar a aberração, mas os atletas paraolímpicos logo se encarregam de pôr as coisas nos devidos lugares, já que, quando entrevistados, dão de ombros para a bobagem recém-pronunciada pelo entrevistador e dizem "paraolímpico", "paraolimpíada/s".

Eu gostaria também de trocar duas palavras sobre "brasuca/brazuca" e sobre o barulho causado pelo "porque" da presidente Dilma, mas o espaço acabou. Trato disso na semana que vem. É isso.


inculta@uol.com.br

FOLHA DE S.PAULO
fonte: Conteúdo Livre

"Taguatinga na pinga."


TAGUATINGA
Tagua tinga
Ta gua tin ga
Ta água pin ga
Tam água na pin ga
Tem água na pinga
Pinga água na tinta
Pin ga a gua na tin ta
Tin ga gua tin ta
Tan ga gua tin ga
Ta gua tin ga
TAGUATINGA

Poemas de Servus.

VIDEOS LEGAIS DA INTERNET

TNT- PRESSIONE O BOTÃO PARA ADICIONAR UM DRAMA
Sou um viciado em internet e navego horas vaculhando o vasto oceano digital. Encontrei esse video do canal TNT. Como seria isso aqui no DF? 



Por Roner Gama

UMA AULA DE QUIMICA DIFERENTE




Durante uma entediante aula de Química, eis que surge nosso herói mascarado para salvar o dia e a bolsa de uma aluna indefesa. Ponto para o professor gente fina, que cedeu a aula para brincadeira dos alunos.

MORRE MILLÔR FERNANDES.

Caramba , a cada ano temos perdido os grandes gênios das artes, mas quem disse que somos eternos. Claro que a obra e as influências destes ilustres permanecerão.


Millôr Fernandes foi e continuará sendo um educador

Cartunista deu aos brasileiros lições de autonomia, contestação, espírito democrático, senso crítico e amor à vida.

Paulo Freire foi secretário de Educação da cidade de São Paulo no governo da mulher, nordestina, paraibana, assistente social, militante dos movimentos populares, Luiza Erundina. Nesta eleição nem a ‘iniciante’ cúpula de seu partido tinha apoiado Erundina de primeira hora, mas ela, contra todos os prognósticos, venceu as prévias e depois as eleições.

Paulo Freire falava, aos quatro cantos, que Erundina era, antes de tudo, até mesmo que política, uma educadora. Uma educadora política. E é nos termos de Paulo Freire que digo: Millôr Fernandes foi e continuará sendo, acima de tudo, um educador.

Com Millôr, e outros cartunistas, eu e milhões de outros brasileiros fomos educados para a autonomia, para a contestação, para o espírito democrático, para a participação política, para o senso crítico, para o amor ao Brasil, para a vida. Millôr, com seus traços e textos, fazia muito mais do que a gente rir. Millôr fazia as pessoas pensarem e gostarem do conhecimento e da análise crítica.

Sem medo de errar afirmo que Millôr, Henfil, Veríssimo, Fernando Sabino e tantos outros fizeram mais pela educação de várias gerações do que a maioria das escolas. Enquanto as escolas optaram pelo ensino, deixando a educação de lado, fomos sendo educados pela vida, pela sociedade, pelas nossas relações.

A Argentina foi um país que conseguiu entender isso e valoriza muito Quino, o ‘pai’ da Mafalda. Em toda a Argentina, Mafalda, personagem de Quino, pode ser encontrada em livros, roupas, objetos, cartazes, sites, jornais, etc. No Brasil parece que ainda não entendemos isso. Já perdemos Henfil, outro gênio do humor e da educação contestadora. E a cada nova geração se perde mais a sua lembrança. Não vemos a Graúna, ou o Fradim, personagens do Henfil, em todo canto do Brasil, como ocorre com a Mafalda na Argentina. Agora se vai outro gênio, Millôr. E nós, brasileiros, como deixaremos vivo seu pensamento, sua obra? Como possibilitaremos que as novas gerações tenham contato com o melhor que o humor brasileiro já produziu? Cometeremos o mesmo erro que cometemos com o Henfil? 

Vai Millôr. Vai tranquilo. Nós, educadores, sentiremos muito a sua falta, mas sabemos o quanto você foi importante para a nossa formação e de boa parte de nossos educandos. Vai com a certeza de que “se isso tudo não foi um pesadelo, este país vai mal”. Vai sabendo que você deixou mais fácil a vida de muita gente, pois seus textos sempre ensinaram que “viver é desenhar sem borracha”, e teve quem quis fazer melhor. Vai encontrar o Henfil e dar ao Céu o ‘Pasquim’. Vai em paz. Aqui na Terra lamentamos a falta de herdeiros intelectuais para ocupar seu espaço na educação das novas gerações.

Martha Medeiros - Fidelidade feminina

Peguei a conversa pela metade, mas não pude deixar de acompanhar até o final. Ninguém resiste a escutar uma mulher confidenciando um segredo a outra.

– Desde quando isso está acontecendo? – Ainda não está acontecendo, mas vai acontecer em breve.

É horrível ter que traí-lo, nunca me imaginei nessa situação. A gente sempre se deu tão bem. Mas sinto que chegou a hora do meu turning point. – Você conheceu outro?

– Uma colega me apresentou. Fiquei fascinada. Tão solto, tão moderno.

– Procura resistir, Marília ! Afinal, você construiu uma relação sólida de.. quanto tempo mesmo? ]

– Dezessete anos, acredita? E nunca olhei para o lado, sempre com ele, fiel como uma labradora.

Hoje é meu melhor amigo. Muito além do que qualquer outra coisa.

– E você vai arriscar perder essa cumplicidade por causa de uma tentação?

– Rê, chega uma hora em que é preciso mudar. Eu vou fazer 50 anos. Olho todos os dias para o espelho e enxergo a mesma cara, a mesma falta de brilho.

Estou envelhecendo sem arriscar nada, sem experimentar algo diferente, nunca. Me diz a verdade: você acha que ele irá suportar?

– Tá brincando! Você pretende contar a ele??? – Ele vai reparar, né? Lógico.

– Não precisa falar nada, mulher! Se você for discreta, ele não vai descobrir.

– Só se eu trocasse de cidade, Rê. Ele vai ficar sabendo no mesmo dia. Você sabe como as fofocas voam.

- Se você pretende fazer essa besteira mesmo, melhor pensar nas consequências. A não ser que ele seja muito bem resolvido.

- Quem é bem resolvido numa hora dessas? Ele vai querer me matar. Vai me chamar de traíra pra baixo. Vai se sentir um lixo de homem.

- ai Marília. Pra que inventar moda a essa altura do campeonato? Claro que às vezes também fico a fim de experimentar uma novidade, quem não fica? Mas, por outro lado, é tão bom não precisar mentir, não ter que criar desculpas...

Uma amiga minha fez essa bobagem e conseguiu ser perdoada porque garantiu que tinha acontecido uma vez só, e em Nova York! O cara engoliu, mas a relação está estremecida até hoje, nunca mais foi a mesma.

- eu sei, eu ei só que não aguento mais usar o mesmo corte há 17 anos. Estou decidida, Rê. Vou trocar de cabeleireiro. Se me arrepender, assumo as consequências. Não suporto mais ficar refém de uma situação que é cômoda, mas que não me revitaliza.

- Então só posso te desejar boa sorte, amiga. Voou te confessar uma coisa, mas não espalha: eu adoraria trocar minha manicure por outra novinha que recém entrou no salão. Me diz se tem cabimento isso. Já troquei de marido três vezes, e não tenho coragem de deixar a Suely.

AMAR A VIDA

Creio nos "céus", em algo místico, além terra, além da vida
Mas creio também na terra, é aqui que nos fazemos homens
 Aqui criamos nossos monstros reais, nosso passado e presente
O Futuro virá, sempre melhor, para a maioria, do foi a terra passada.
É por isso que amo a vida, suas vicissitudes, suas tragédias, os acertos , os erros, o bom, o mau, o preto, o branco,  o incolor , o santo , o profano.
Tudo é a vida, a vida de várias faces, vida humana que subsiste sobre seus próprios pilares.
O homem enquanto vida será sempre o pó da terra, e a terra sempre terá as marcas do homem.

Por Roner Gama 


"Novo dia, Sigo pensando em você"

O Bonde do Dom
Marisa Monte
Composição: Arnaldo Antunes / Carlinhos Brown / Marisa Monte

Novo dia
Sigo pensando em você
Fico tão leve que não levo padecer
Trabalho em samba e não posso reclamar
Vivo cantando só para te tocar
Todo dia
Vivo pensando em casar
Juntar as rimas como um pobre popular
Subir na vida com você em meu altar
Sigo tocando só para te cantar
É o bonde do dom que me leva
Os anjos que me carregam
Os automóveis que me cercam
Os santos que me projetam
Nas asas do bem desse mundo
Carregam um quintal lá no fundo
A água do mar me bebe
A sede de ti prossegue
A sede de ti...

DANÇA DA SOLIDÃO.


 Solidão é lava

Que cobre tudo
Amargura em minha boca
Sorri seus dentes de chumbo...
Solidão, palavra
Cavada no coração
Resignado e mudo
No compasso da desilusão...
Viu!
Desilusão, desilusão
Danço eu, dança você
Na dança da solidão...(2x)
Camélia ficou viúva,
Joana se apaixonou,
Maria tentou a morte,
Por causa do seu amor...
Meu pai sempre me dizia:
Meu filho tome cuidado,
Quando eu penso no futuro,
Não esqueço o meu passado
Oh!...
Desilusão, desilusão
Danço eu, dança você
Na dança da solidão
Viu!
Desilusão, desilusão
Danço eu, dança você
Na dança da solidão...
Quando vem a madrugada
Meu pensamento vagueia
Corro os dedos na viola
Contemplando a lua cheia...
Apesar de tudo existe
Uma fonte de água pura
Quem beber daquela água
Não terá mais amargura
Oh!...
Desilusão, desilusão
Danço eu, dança você
Na dança da solidão
Viu!
Desilusão, desilusão
Danço eu, dança você
Na dança da solidão...
Danço eu, dança você
Na dança da solidão...(2x)
Desilusão! Oh! Oh! Oh!..

POEMAS DE SANDRA HERZER.

MULHERES
"Quando Deus formou as mulheres...
O que será que ele pensou ao criar uma mulher?
Nosso bondoso pai e criador
Já tinha planejado tudo desde seu trono
Entre seus anjos e arcanjos
Talvez tenha tirado dali suas inspirações.
Mulheres,
Dotadas de mãos suaves e ternas
Que aconchegam e dão carinho,
Porém, ao mesmo tempo firmes
Para transmitir segurança na hora certa.
Mulheres,
Dotadas de olhos brilhantes,
Olhos que fitam com doçura,
Olhos que transmitem o que está guardado
Dentro da sua alma
Olhos que não sabem mentir.
Mulheres,
Dotadas de lábios delicados,
Lábios que falam de Deus,
Sobre o universo e de toda a criação.
Lábios que cantam poemas sobre a vida
Lábios que são as portas
Que deixam escapar a verdadeira voz do amor.
Mulheres,
Que demonstra seu sofrimento
Da forma sincera e humana que existe
Mas que também não consegue esconder
Quando está completamente feliz
Mulheres,
Que sentem orgulho de serem mulheres
Mesmo sabendo todos os riscos que correm
Pelo fato de ser... uma Mulher.

Apenas um modelo
Que desde o principio Deus deixou na terra
Tentando mostrar ao homem...
Um pouquinho do que ele tem guardado no céu!"

COMENTO
Ouvi falar de Sandra Herzer através de um programa de rádio, salvo engano a rádio senado, e confesso que me comovi com os poemas tão pungentes, que mostram de forma lancinante a realidade cruel de quem ainda tão jovem passou por tantas aflições a ponto de perder até a esperança. O suícido é uma desesperança. Foi assim  o fim de Sandra Herzer, atirou-se de um viaduto em São Paulo. Tinha apenas 20 anos.

Roner Gama

CAI A NOITE.


"Porque nunca houve outra que aos meus olhos
E dentro deles se achasse, não como tu
Até descobrir-te perdida por eles.

Tu que me amas, minhas certezas a ti confesso
Tu que me amas, todas as histórias a ti confio
Tu que me amas, nossa relação única a ti declaro
Tu que me amas, pelo verbo conjugamo-nos.

Porque lembrar-me-ei todo o tempo
Do que me tens de melhor, e a mim dedicas
Até que não te esqueças de lembrar.

Tu que me amas, sendo eu este homem peculiar
Tu que me amas, com meus erros e acertos
Tu que me amas, com meus vícios e virtudes
Tu que me amas, por tudo e por nada.

Porque mudamos um o outro, e ao outro
Jamais abandonar-me-ei de ti, não a ti em mim
Tanto gosto e preciso fazer-te sorrir, 



Tu, que me amas."
 
fonte: Veneno Veludo

Todos os erros na carta de um dos analfabetos prepotentes de Haddad. Ou: Enem já é caso de polícia, não de política!

Quem vai dar umas chicotadas em praça pública em Fernando Haddad, o ministro da falta de educação brasileira? Daqui a pouco, vocês lerão uma carta enviada pela organização do Enem a um aluno que contestou a sua nota de redação. Verão do que é capaz a arrogância burocrática quando somada à incompetência e ao analfabetismo propositivo. Antes, algumas palavrinhas sobre o Enem.
Quando Haddad decidiu fazer dessa prova um mecanismo de seleção para as universidades federais, estufou o peito: seu objetivo era, dizia, acabar com a angústia do vestibular e coisa e tal. Hoje, os estudantes não têm a menor noção, reitero, de por que tiram nota A, B ou C. O sistema da Teoria da Resposta ao Item (TRI) transformou-se num instrumento de discricionariedade. Mais: aluno que entrega gabarito em branco recebe a nota média da área, que é o mínimo atribuído a cada candidato. Alguns leitores afirmam: “Ora, Reinaldo, considere que essa nota mínima é o “zero” do sistema. Eu fui um bom aluno de matemática. O ponto é outro: quem entregou a prova em branco tirou o zero clássico. Trata-se de mera questão de processamento de dados. Não lhe cabe nem mesmo a média da área como nota mínima porque ele não participou. Mas esse está longe de ser o maior problema do Enem.
Já sabemos que as redações são corrigidas de um modo, como direi?, porco! Já sabemos que são verdadeiros testes ideológicos. Já sabemos que o aluno é compelido a fazer proselitismo político para declarar suas boas intenções… Constata-se agora que os corretores também não sabem fazer conta. Qual é o caso? Há cinco quesitos para a correção da redação. Cada um deles vale 200 pontos. Pois bem: um aluno que teve acesso à correção constatou que a soma da sua prova dava 520, embora os corretores lhe tenham atribuído 500. Fez o óbvio: recorreu.
Acreditem: ele recebeu um relatório do consórcio Cespe/UNB, que realizou a prova - escolha milionária feita por Fernando Haddad sem licitação - tentando justificar a nota. As pessoas que redigiram o texto explicitam a sua pontuação em cada item, como vocês verão. A soma dá 520 pontos! Não obstante, a organização do exame nega-se a fazer revisão. Para o Cespe/UNB, 120 +100 +100+100+100 = 500.
Ainda não é o fundo do poço. A carta recebida pelo aluno foi redigida por um analfabeto prepotente. Para começo de conversa, a palavra “participante(s)” aparece no texto 25 vezes!!! Abaixo, marco em vermelho os erros gramaticais, em verde os de sintaxe e organização e em lilás as repetições e bobagens. Eis aí: é essa gente que está avaliando os estudantes brasileiros e que responde hoje pela prova que seleciona os candidatos às vagas nas universidades federais. O Enem de 2011 custou quase R$ 500 milhões. Fernando Haddad escolheu a empresa que elaborou a prova, repito, sem licitação. Alegou urgência e notória especialização. Urgência? Salvo engano, há Enem todo ano… A única coisa urgente é moralizar a esculhambação a que Haddad submeteu o exame. Segue a carta analfabeta. Comento em azul.
*******************************************************************
Em atenção ao recurso administrativo interposto pelo participante XXXXXXXXXX, inscrito do Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM 2011, informamos o que segue.
Apareceu o primeiro “participante”. Faltam outros 24! O centro é inscrito “no” e não “do”.
Na prova de redação do ENEM 2011, esperava-se que o participante, com base na leitura dos textos motivadores trazidos na proposta, bem como nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, escrevesse a respeito do tema da redação, quer seja, “VIVER EM REDE NO SÉCULO XXI: OS LIMITES ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO”, apresentando proposta de conscientização social que respeitasse os direitos humanos. Nesse caso, o participante deveria redigir texto dissertativo-argumentativo em norma culta escrita da língua portuguesa, devendo, para tanto, selecionar, organizar e relacionar, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.
- O “bem como” torna o trecho ambíguo. O redator quis dizer que o aluno deve escrever a sua redação “com base” nos textos motivadores e nos conhecimentos que já tem. Para tanto, bastaria o “e” no lugar daquele horroroso “com base”, pecado típico do fácil falar difícil…
- “Redigir texto em norma culta escrita” é só uma tautologia meio boçal, dada a impossibilidade de redigi-lo “em norma culta oral”…
Considere-se que, entre os textos motivadores, constava, além de uma tirinha do cartunista André Dahmer, da série “Quadrinhos dos anos 10″, excertos de dois artigos: “Liberdade sem fio”, da revista Galileu, e “A internet tem ouvidos e memória”, do portal Terra, todos trazendo referências ao tema a ser abordado.
Ai, ai, meu Jesus Cristinho!, como evocava Bandeira. Para começo de conversa, há um erro de concordância. Nem preciso explicar ao leitor por que o correto é “constavam”. E não constavam “entre”, mas “do” - admite-se também o “no”.
Segundo definição do INEP, devidamente estabelecida no subitem 6.7.6 do edital de abertura do ENEM 2011 - disponível no endereço eletrônico http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/edital/2011/edital_n07_18_05_2011_2.pdf - e amplamente divulgada pelos meios de comunicação, o texto de cada participante foi avaliado/corrigido, de maneira completamente independente, por dois corretores capacitados especificamente para correção das redações do ENEM 2011 e que seguiram rigorosamente todos os critérios editalícios previstos para esse fim. O mesmo edital também estabeleceu que a nota final na redação dos participantes corresponderia à média aritmética simples das notas atribuídas por esses dois corretores. Ressalte-se, nesse ponto, que os referidos critérios foram igualmente observados na correção das redações de todos os participantes. No caso em comento, na nota final atribuída ao participante - 500,00 pontos - foi resultado da média das notas atribuídas por dois corretores.
Falta a preposição “na” no texto original. “Avaliado/corrigido” não é uma construção nem da norma culta nem da inculta… Observem a exasperante repetição daquela palavra…
No caso em referência, a começar pelo título, o participante direciona seu texto, focando em outro aspecto que não o do precipuamente tema proposto, qual seja, “Em busca da fita isolante”, quando é límpido e cristalino que o participante deveria abordar tema acerca dos limites entre o que é público (que pode ou deve ser divulgado) e o que é privado (que não pode ou não deve ser divulgado) no âmbito da rede mundial de computadores (Internet) no século XXI. A partir dessa constatação, prosseguiremos à fundamentação das notas atribuídas pelos corretores à redação do participante em referência, cujo texto, com 28 linhas efetivamente escritas (título não é contado para esse efeito), recebeu as seguintes médias: na competência I (demonstrar domínio da norma culta da língua escrita), a nota atribuída foi 120,00 pontos porque o texto, a despeito do julgamento feito por sua professora trazido em seu recurso, apresentou estrutura sintática esperada para o grau de escolaridade exigido, porém apresentou, em seu texto, alguns desvios gramaticais de pontuação, de grafia e de convenções da escrita em relação à norma padrão escrita, como os exemplificados a seguir: uso inapropriado de reflexividade do verbo na linha 3, falha na retomada do referente na linha 5, impropriedade vocabular na linha 8, uso inadequado de hífen na linha 11, falha vocabular na linha 22. Apesar de não usar gírias em seu texto, como defende seu recurso, o participante não poderia ser avaliado com nota diferente da que recebeu já que, para isso, deveria apresentar boa estrutura sintática, ou seja, acima da média esperada para o grau de escolaridade exigido, com poucos desvios gramaticais, de pontuação, de ortografia e no emprego do registro adequado ao gênero.
COMENTO
Esse é um dos parágrafos do balacobaco!
- Não se deve “focar em”, mas “focar o”. É um verbo transitivo direto. Isso na hipótese de que alguém deva “focar” alguma coisa. Fará muito melhor se “focalizar”, “salientar” ou mesmo “se fixar”.
- “precipuamente tema proposto”??? Que estrovenga é essa? É provável que tenha querido dizer, e já não seria grande coisa, “tema precipuamente proposto”. Uma redação, convenham, não tem um “tema precípuo”. Tem um tema. Ponto.
- “prosseguiremos à fundamentação” - O “prosseguir” pode até ser transitivo indireto, mas não com a preposição “a”. Prosseguirei no meu trabalho demonstrando que o redator, coitado!, tentou escrever, na verdade, “procederemos à fundamentação” - a sua fundamentação a que faltam… fundamentos!
- Prestem atenção a esta construção: “porque o texto (…) apresentou estrutura sintática esperada para o grau de escolaridade exigido, porém apresentou, em seu texto (…)” Perceberam? O sujeito da oração era “o texto”; de repente, sem mais nem aquela, percebe-se que o redator está se referindo ao aluno…
- O missivista omitiu aquela vírgula depois de “isso”.
- O redator omitiu as vírgulas que separam “para isso”.
- Escreve o bruto: “o participante não poderia ser avaliado com nota diferente da que recebeu já que, para isso, deveria apresentar boa estrutura sintática” Heeeinnn? O participante deveria apresentar boa estrutura sintática? Não seria o texto?
Não é mesmo impressionante que seja esta a voz do EXAMINADOR explicando por que a sintaxe do candidato é ruim?
É um espetáculo vergonhoso!
Na competência II (compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo), a nota do participante foi de 100,00 pontos. Para receber nota superior a que foi atribuída nessa competência, esperava-se que o participante elaborasse texto bem desenvolvido, com evidentes indícios de autoria e certa distância do senso comum, elementos não identificados na redação do participante em questão. Observa-se que ele desenvolveu seu texto a partir de considerações muito próximas ao senso comum e de maneira totalmente previsível. Percebe-se, também, apesar do domínio adequado do tipo textual exigido, qual seja, texto dissertativo-argumentivo, o foco do texto se limitou apenas ao problema da segurança na rede, na mera constatação da importância da internet para a pesquisa na deficiência das autoridades brasileiras em reprimir crimes virtuais. Percebe-se, também, que não foi explorado adequadamente os múltiplos aspectos inerentes ao contexto da vida em rede e os conflitos entre os espaços públicos e privados decorrentes dela. Portanto, nada há que se alterar na nota adequadamente atribuída pelos avaliadores.
COMENTO 
-”nota superior a que foi” - O certo é “superior à que foi”.
- “Percebe-se (…) o foco do texto se limitou” - faltou a conjunção integrante “que” da Oração Subordinada Substantiva Objetiva Direta…
-”adequado do” - O certo é “adequado ao“.
- Não sei, e ninguém sabe, o que é “tipo textual”; trata-se de uma categoria nova.
- Aquele “apenas” é absolutamente ocioso.
- Suponho que falte um “e” entre “pesquisa” e “na deficiência”
- “Não foi explorado adequadamente os múltiplos” é erro grosseiro de concordância. O sujeito é “os múltiplos”. O correto é “não foram”.
- O redator omitiu aquele “e” que aparece em vermelho.
- Notem a aflitiva repetição da palavra “texto”.
Na competência III (selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista), a nota do participante foi de 100,00 pontos, dado que o texto por ele desenvolvido apresentou informações, fatos, opiniões e argumentos pouco organizados e pouco articulados, além de relacionados de forma pouco consistente ao ponto de vista por ele defendido. Constata-se, também, que o participante trata, em seu texto, do tema “crimes virtuais”, que, apesar de ter certa conexão com o tema proposto, é abordado por meio de informações aleatórias e desconectadas entre si. Cumpre esclarecer, também, que, para receber a nota máxima nessa competência, toda a argumentação apresentada no texto deveria estar organizada de acordo com o projeto de texto proposto, o que não foi o caso. Conclui-se, portanto, que a nota atribuída nessa competência está adequada ao grau de organização do texto do participante.
COMENTO
- “Consistente ao ponto” - O correto é consistente “com”.
- O autor do texto omitiu uma  vírgula depois de “virtuais” e outra antes de “para receber”.
- O redator omitiu o artigo “a” antes de “nota”.
Na competência IV (demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação), a nota do participante foi de 100,00 pontos, decorrente do fato de o texto do participante possuir certa organização, conforme o nível de escolarização exigido. No entanto, se observa inadequações no nível dos parágrafos, em que o participante demonstra pouco domínio no que se refere à utilização dos recursos coesivos. Constata-se tal imaturidade linguística na desconexão entre o primeiro e o início do segundo parágrafos; no conteúdo da linha 17, que não se conecta, por exemplo, com o que foi escrito anteriormente; entre outros desvios referentes à organização do texto. Assim sendo, verifica-se que a nota atribuída a essa competência está condizente com a desenvoltura do participante ao construir sua argumentação na produção de seu texto.

COMENTO
- “se observa inadequações” - O redator espanca a colocação pronominal e a concordância da voz passiva sintética. O certo: “observam-se inadequações”. Notem que o missivista fala, Deus Meu!, em “maturidade lingüística.
- Aquele ponto-e-vírgula é impróprio.
- o redator omitiu o artigo “a” antes de nota.
Na competência V (elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, demonstrando respeito aos direitos humanos), a nota do participante foi de 100,00 pontos. Tal nota é considerada nota mediana entre os cinco níveis de avaliação. Para ter nível de excelência nessa competência, a proposta de intervenção deveria ser inovadora, relacionada ao tema proposto, bem articulada ao projeto de texto e em que se identificasse, ainda, sugestão de viabilização da proposta. Decerto não é o que se vislumbra no texto do participante. Além de a proposta ser quase tangencial ao tema proposto, já que o participante focou nos crimes virtuais, foi apresentada de forma precária, sem relação com o projeto de texto limitada à citação ações inviáveis como, por exemplo, medidas aumentar a fiscalização do governo na Internet. Ademais, a discussão sobre a necessidade da legislação tipifique os crimes virtuais é totalmente previsível, fato que comprova a total falta de originalidade da proposta de conscientização apresentada no texto do participante. Por fim, destaque-se que a conclusão final do texto desenvolvido pelo participante demonstra, de maneira cabal, que ele fixou sua argumentação de modo evidentemente tangencial ao tema proposto. Portanto, a nota atribuída à redação do participante está de acordo com os parâmetros utilizados nas correções das provas de todos os participantes avaliados, de maneira que não comporta qualquer reparo, uma vez que todos foram tratados em igualdade de condições nas correções, efetuadas por profissionais competentes e preparados para esse trabalho.
COMENTO
Vamos lá.
- “Tal nota é considerada nota mediana” - repetição desnecessária.
- “Para ter nível de excelência (…) a proposta de intervenção deveria ser inovadora”. Erro de correlação de tempos. O correto: “Para que tivesse, a intervenção deveria”.
- “bem articulada ao projeto” - O certo é “com” o projeto.
- O que quer dizer “quase tangencial” nesse caso? Seria um tangencial de dentro pra fora?
- “focou nos” de novo!
- “com o projeto de texto limitada à citação ações inviáveis como, por exemplo, medidas aumentar a fiscalização do governo na Internet. Não entendi nada. Alguém entendeu? Talvez tenha querido dizer isto: “com o projeto de texto LIMITADO à citação DE ações inviáveis como, por exemplo, medidas PARA aumentar a fiscalização do governo na Internet.”
- “a discussão sobre a necessidade da legislação tipifique”. O certo: “de que a legislação tipifique“.
- Faltou o artigo “a” antes de conclusão.
Encerro
Depois desse descalabro, o Inep(to) veio a público para afirmar que a Cespe/UNB errou ao afirmar que o aluno tirou 100 pontos no quesito V; seria apenas 80. Sobre o analfabetismo da carta, nada disse.
É essa gente que está elaborando e corrigindo provas e que dá as explicações aos alunos. Há muito tempo o Enem deixou de ser um caso de política para ser um caso de polícia! Estivesse no poder um governo tucano, os sindicatos de professores e entidades estudantis estariam nas ruas. Como isso tudo é coisa da “companheirada”, mamam em silêncio nas tetas analfabetas do poder.

Por Reinaldo Azevedo

1º DIA DE 2012. Como foi minha virada.


 Como todo homem casado, eu me incluo, passei a virada do ano na casa dos parentes da esposa, geralmente a casa da sogra, e sempre, sempre as melhores datas festivas o homem casado deve passar na casa dos parentes da esposa. Já li em algum canto que , não me recordo onde,  são duas as felicidade de um homem casado: o dia do casamento, e o dia do divórcio. Ainda não tive a segunda felicidade.
Bem, voltemos a virada de ano.Findado o ano velho todos se cumprimentaram, claro que tem aqueles que você foge para não cumprimentar, seja por falta  de afinidade , seja pelo hálito insuportável. O som "ambiente" da festividade vinha de um carro, cuja tampa traseira era sustentada por um cabo de madeira, o ano devia ser 97 ou 99, não mais do que isso. Ao menos as músicas eram decentes, tinha Zé Ramalho, Jorge Vercílio, enfim  MPB.
Saí para ver os fogos, não vi, ouvi estrondos terríveis, procurei no céu as lindas luzes coloridas dos fogos e alguém me disse : vamos sair daqui senão podemos ser atingidos por esses rojões.
As mulheres da festa. Não eram belas e nem se vestiam belas.Com raras exceções. Os homems uma lastima. Tinha até homem de luto.
Não tinham nada que salvasse aquela virada, pensei comigo, nem uma conversa agradável. O povo era ruim de prosa. Lembrei que estava com meu fone de ouvido. Conectou o fio no celular e passei a desfrutar do que eu queria realmente. A tecnologia me salvou.
Na hora de ir embora , é outro momento de felicidade de um homem casado, me despedi rapidamente de todos, entrei no meu carro, liguei o som, Djavan cantava, aguardei minha esposa e filha, cerca de 20 minutos, e finalmente pude tomar o rumo do meu aconchegante lar.

Um feliz 2012 a todos.

MUSEU PARA ESCRITORES EM BRASÍLIA

A Associação Nacional dos Escritores (ANE) inaugurou, em sua sede no DF, o primeiro museu no Brasil destinado a preservar a memória dos escritores que contribuíram para a cultura do país.

Diferentemente de outros espaços destinados a mostrar o passado de apenas um autor, geralmente instalados em sua residência, o Museu do Escritor tem como proposta reunir exemplares raros, peças e pertences de todos os escritores brasileiros. Durante o passeio, é possível encontrar raridades como o exemplar em manuscrito da obra O Quinze, de Raquel de Queiroz, e a primeira edição impressa com tradução para vários idiomas do famoso poema de Castro Alves - Navio Negreiro.
O acervo é constitído de doações de escritores e familiares de pessoas que fizeram parte da literatura brasileira. Para contribuir com a preservação desta memória, os interessados em doar peças, pertencentes ou exemplares raros podem entrar em contato com o diretor do local, o escritor Napoleão Valadares.

Local: Associação Nacional dos Escritores
Endereço: SEPS EQS 707/907 Bloco F - a lado do Instituto Cervantes
Segunda a Sexta, das 9h às 12h e das 14h às 16h.  
Preço:Entrada fanca  - Informações: (61) 3244-3576




Fonte: Da redação do clicabrasilia.com.br

Seguidores

Sobre este blog